sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Review: Azagaia - Babalaze

Antes deste album ainda não tinha tido a chance de ouvir e analisar ao fundo as músicas do Azagaia porque ouvir só em shows e rádios nem sempre nos dá a verdadeira imagem do artista.
A capa deixou-me um pouco em baixo, esperava que fosse mais chamativa como a da 1ª edição, os contrastes pouco se notam, principalmente no verso onde encontrei o “punho no ar” meio escondidino e tal e como sendo a marca do Azagaia devia se destacar um pouco mais... mas nem por isso perdi a vontade de ouvir o album e fiz muito bem em não voltar atrás.


Logo que começou a tocar fiquei surpreza ao ouvir o Hino de África no fundo, cantado pelo Quarteto Khensani Hosi. Tava a espera de ouvir um Intro comum mas felizmente dei de cara com uma bomba de criatividade! Um poema forte entitulado “Malhazine” (acho que o titulo já diz muito hehe), que mostra os sentimentos de todos nós depois daquele incidente... A seguir ele mostra-nos uma verdadeira exibição flowística na faixa “Eu Não Paro” e logo a seguir outra pequena surpresa com uma espécie de provérbio africano a iniciar a música “As Mentiras” e depois de ouvir essa deu p’ra perceber que Azagaia é dos poucos que tenta sempre mostrar o orgulho que tem de ser africano tanto que ele usa, sempre que pode, frases e corors nas linguas nacionais como na faixa “Ni Ta Ku Fonela” (e isto vem já desde os tempos da Dinastia Bantu!).


Todos nós conhecemos os temas que ele trata: as injustiças sociais, o desequilíbrio económico, a hipocresia dos agentes do Estado, a “lavagem cerebral” que o sistema de ensino nos faz... e notam-se muito em faixas como “Alternativos”, “Combatentes da Fortuna”, “O Ciclo da Censura” e outras tantas, mas neste album encontrei algumas “novidades” como a droga que aparece como uma espécie de Love Song na faixa faixa “Chat TV/Maria Joana”, o tráfico e prostituição de menores numa música que não aconselho a quem tem ouvidos fracos ou problemas cardiacos heheh, “Louca Paixão”, ele mostra também um lado mais pessoal dele na faixa “Ni Ta Ku Fonela” e aparece também a faixa “Labirintos” que é a que melhor mostra esta versatilidade do Azagaia e é, do meu ponto de vista, uma das melhores faixas do album.

Por fim ele faz uma avaliação do cenário do Rap e dos Rappers nacionais com a ajuda dos restantes membros da Cotonete Records na faixa “Até ao Fim/Cotonete Militares” e pede também que mudemos de mentalidade e tomemos uma atitude ao inves de ficarmos de braços cruzados a olhar as coisas acontecerem.


Uma coisa que me prende neste jovem é o facto dele conseguir cantar temas muito parecidos e ao mesmo tempo fazer de cada um único e diferente e ele tem também uma coisa que falta nas mensagens que muitos rappers passam hoje em dia, ele mostra-nos como resolver esses problemas todos que apresenta (“As Verdades” é um bom exemplo disso). Muitos rappers tem talento, falam do que está errado mas não propoem soluções.

Mas não vale a pena falar só das coisas boas e deixar as más de lado, senão não há progresso hehe, não entendo lá muito da parte técnica mas deu pra notar que em algmas músicas as misturas não tão como deviam ser, por exemplo, na faixa “Combatentes da Fortuna” o coro tá muito alto, na música “As Mentiras da Verdade” há alguns backgrounds que tão muito altos tanto que nem parecem backgrounds, o mesmo acontece em “Ni Ta Ku Fonela” em relaçaõ ao coro e aos backgrounds... e não é muito agradável encontrar estas pequenas falhas num album de uma pessoa que já faz música a algum tempo...


Enfim, um conjunto de letras fortes, participações quentes, como é o caso de Valete e Cotonete Records, produções e retoqeus de nomes como Proofless, Mr. Dino, Scam, G2 entre outros deu origem a um album que mostra que o bom Rap ainda existe e que está a seguir uma direcção que o torna comercial sem perder a essência do Rap.

7.8/10

Opinião da Mena.

5 comentários:

  1. Concordo plenamente com a Mena, exelente album este. Mas a questão do som é um pouco séria mesmo...comprei a reedição a achar que terim misturado melhor as músicas...mas prontos, fica pra próxima!

    Eu daria 7.0 ao album...

    ResponderExcluir
  2. Eu não curti o album a fundo mas ja curti a maioria das musicas e como disse a Mena curtir em shows e rádio não nos deixa sentir o taste real das musicas mas das que curti muito bem e outras não tão bem o meu rating seria de 6.5-Razoável.

    Nice Review...

    ResponderExcluir
  3. Sup backupUnit... here "5th member not official" lol... eu curti o album e a serio este album e mto nice e sem margens de duvidas este e um alto review... mto bem feito... qnto a parte de masterizacao e etc... nao e mto a minha area e dpois deste review realmente cnsegui notar as falhas citadas....

    Minha pontuacao: 8/10

    sPaco
    "Profissionais fizeram Titanic e amadores a Arca de Noe..."

    ResponderExcluir
  4. lol Eu ja vos tinha dito que a Mena era uma bala nas reviews... Aposto que qdo viram a Pic da Mena, pensaram "Esse Pesoal da BackUpUnit não ta nice... Essa menina vai excrever o ké????" heheheheh

    Ta ai a prova. Review sem sensura nenhuma por nossa parte e completamente integra aos sentimentos dela. Mena a demonstrar que Ishh!!! Yowééé!!!!

    Um dos aspectos mais engraçados dessa review, que demonstra integridade é a critica negativa a capa do CD... E a capa foi desenhada e criada por Gringo(um de nós, para quem não sabe). lol

    Confesso que gramei muito da críitica só não digo que superou as minhas espectativas porque eu realmente não esperva menos dela como ja tinha dito no outro post. Só realsar o facto de a mistura e a qualidade de som não ser das melhores tambem.... Mas creio que a cotonete records vai melhor isso nos próximos releases.

    Ta de Parabens a Mena pela review. Espero que seja o início de uma próspera e longa parceria.

    ;)

    ResponderExcluir
  5. Azagaia 'e, sem duvidas, o melhor jovem-musico que a patria amada e os seus milhoes de bracos se devem orgulhar. Nao so pela frontalidade que se veste, mas pela forma lucida de ver a realidade mais real de Mocambique.
    Um abraco.

    ResponderExcluir